“Nunca dês nada por garantido”

blog_telmamonteiro_cont“Nunca dês nada por garantido. Nem mesmo quando a derrota parece certa. Porque não é. Nunca é.” – Telma Monteiro

Há muito quem diga que se fechou a porta. Eu prefiro pensar na função das portas, porque uma porta não é um muro. Uma porta é algo que usamos para fechar, mas também para abrir. Às vezes, até conseguirmos abrir várias portas com a mesma chave.

Eu gosto de portas. Também gosto de janelas. Não gosto mesmo nada é de muros!

“Nunca dês nada por garantido”, lembra-nos a Telma, que sabe muito bem que, na vida, como no judo, mesmo quando parece que o jogo está ganho, uma reviravolta da oponente pode comprometer a vitória.

Mas o que a Telma também sabe, é que isso é válido tanto para a sua oponente como para si e que, mesmo quando está de costas no tapete totalmente presa e aparentemente sem possibilidade de reação, tal não é verdade e basta um segundo para o volte-face.

Também na vida, para além do tapete, acontece o mesmo. É tão importante não dar nada como garantido, como é tirar um segundo no meio do drama e do aparente caos, para pensar e procurar com atenção onde está a pontinha de luz que todas as situações encerram. Quando a encontrar, centre-se nela e dedique toda a sua atenção e capacidade a aumentar essa luz, até esta iluminar todo o caminho que tem à sua frente.

Lê o artigo na íntegra aqui.